Primeiro projeto de cooperação Brasil-Alemanha na Rede Cornet envolve 15 PMEs

© Shutterstock/Zapp2Photo

O primeiro projeto teuto-brasileiro da Rede Cornet, que estudará os benefícios do uso de tecnologias da indústria 4.0 na produção industrial em pequenas e médias empresas (PMEs), teve seu pontapé inicial em abril deste ano. Batizada de “Garantia de qualidade de processos de montagem em redes globais de valor agregado com inteligência aumentada” (“AuQuA”, na sigla em alemão), a iniciativa reúne instituições de pesquisa da Alemanha e do Brasil, bem como 15 pequenas e médias empresas, além de associações setoriais, em uma parceria financiada pela Federação Alemã de Associações de Pesquisa Industrial Otto von Guericke (AiF) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Emprapii).

Essa cooperação em pesquisa e desenvolvimento entre empresas e instituições de pesquisa do Brasil e da Alemanha tem um duplo objetivo. O primeiro é descobrir se as PMEs podem garantir elevada qualidade nos processos e alta eficiência na competição global de seus mercados, a partir do uso da realidade aumentada e da inteligência aumentada – sistemas com tecnologia cognitiva que apoiam o ser humano na tomada de decisões, sem o uso de machine learning, como na inteligência artificial. O segundo visa verificar se a tecnologia pode, de fato, capacitar trabalhadores com baixa qualificação técnica para realizar tarefas fabris complexas, o que reduziria custos de treinamento.

 

Indústria 4.0

A realidade aumentada e a inteligência aumentada são tecnologias bases da indústria 4.0 e permitem a integração dos sistemas cyber e físico. Essa abordagem muda fundamentalmente a forma como se dá o controle da produção industrial e a organização do trabalho.

Esse projeto de cooperação científica entre Brasil e Alemanha pretende possibilitar, por exemplo, que, por meio da realidade e da inteligência aumentada, funcionários do nível mais operacional possam ser instruídos a montar peças de maquinários. Um sistema de oito câmeras com a tecnologia de realidade aumentada reconheceria automaticamente os processos manuais de montagem e gerariam instruções apropriadas, orientando o trabalhador no processo de montagem e detecção de desvios.

Os parceiros alemães neste projeto são a Quality Research Association (FQS) e o Laboratório de Máquinas da RWTH Aachen University (WZL). Do lado brasileiro, abraçaram a iniciativa a Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação do Distrito Federal (Assespro-DF) e a Unidade Emprapii de Biofotônica e Instrumentação do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (IFSC/USP). Além disso, um total de 15 pequenas e médias empresas dos dois países estão envolvidas no projeto.

O financiamento do projeto, por um período de dois anos, será conduzido pela Federação Alemã de Associações de Pesquisa Industrial Otto von Guericke (AiF), com recursos do Ministério Federal de Assuntos Econômicos e Energia (BMWi) da Alemanha e da Emprapii no Brasil.