Sociedade Alemã de Amparo à Pesquisa

A Sociedade Alemã de Amparo à Pesquisa (DFG) é a principal organização alemã autônoma de fomento à pesquisa. A instituição apoia projetos realizados em universidades e outras instituições científicas em todas as áreas de conhecimento. A DFG promove a excelência acadêmica, selecionando os melhores projetos, estimula a cooperação internacional e oferece oportunidades para jovens cientistas. Outra meta importante é promover a igualdade de oportunidades para pesquisadores e pesquisadoras. Para suas atividades, a organização tem um orçamento anual de aproximadamente 3,3 bilhões de euros, disponibilizado pelo governo federal da Alemanha e pelos governos estaduais do país. A DFG é representada por seis escritórios internacionais e está também envolvida em todos os cinco Centros Alemães de Ciência e Inovação (DWIH) ao redor do mundo.

Em 2011 foi inaugurado o escritório da DFG para a América Latina em São Paulo, localizado nas dependências do DWIH São Paulo. Juntamente com suas organizações parceiras na região, a DFG oferece várias opções de financiamento.

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) são ambas organizações parceiras da DFG a nível federal.  Juntas, estas instituições financiam projetos como a Collaborative Research Initiative on Smart Connected Manufacturing“ (CRI-SCMfg) iniciativa no campo da engenharia de produção e digitalização.

A DFG mantém acordos de cooperação e promove projetos de pesquisa teuto-brasileiros em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) e a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ).

Em colaboração com a FAPESP, a DFG também pode financiar os assim chamados programas coordenados, tais como os Grupos Internacionais de Formação de Doutorandos (IRTG). A DFG e a FAPESP financiaram, por exemplo, o primeiro IRTG teuto-brasileiro durante um período de nove anos, cuja pesquisa centrou-se nos princípios de auto-organização em redes complexas em evolução. Neste projeto, físicos, matemáticos, biólogos, climatologistas e geógrafos de ambos os países trabalharam em conjunto na pesquisa e, ao mesmo tempo, apoiaram conjuntamente a formação de estudantes de doutorado alemães e brasileiros.

Além do Brasil, a DFG possui acordos e parcerias com organizações de fomento à pesquisa na Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador e México. No México e no Chile, a DFG também é apoiada por duas representantes acadêmicas.

Contato

Dr. Christina Peters

Diretora do escritório da DFG para América Latina