Inovação e pandemia impulsionam a sustentabilidade do planeta

No 8º Congresso Brasil-Alemanha de Inovação, Christoph Schmidt expõe impactos positivos da covid-19 e da economia circular para um mercado engajado com o meio ambiente

Pandemia, sustentabilidade e inovação. Essas palavras juntas parecem não dar samba, certo? No entanto, Christoph Schmidt, presidente do Instituto Leibniz de Economia e Pesquisa (RWI) e keynote speaker indicado pelo DWIH no 8º Congresso Brasil-Alemanha de Inovação, provou exatamente o contrário em sua palestra sobre como os negócios podem resistir à crise com inovação.

Na visão do cientista, a pandemia ajudou pessoas e organizações a se adaptarem a novas formas de se viver e de se fazer negócios. “A covid-19 potencializou a transformação digital e a transição da economia atual para a economia verde”, ressaltou.

Para o acadêmico, essas mudanças sociais de preservação do planeta, embaladas pelo acesso a novas tecnologias, continuariam a ser induzidas a passos lentos no mercado global não fosse a pandemia. “A ideia de combater negócios não sustentáveis ganhou força com a covid-19 e quebrou muitas barreiras que estavam difíceis de serem rompidas”, acrescentou.

Bruno Vath Zarpellon, diretor de Inovação da Câmara Brasil-Alemanha, e Christoph Schmidt, presidente do Instituto Leibniz de Economia e Pesquisa (RWI)

Economia circular

Em sua exposição, o economista discorreu ainda sobre a importância da economia circular, dando um pequeno spoiler sobre o painel “Economia Circular: Soluções inovadoras para fechar o ciclo”, que seria debatido mais adiante no Congresso. “A economia circular é um conceito emergente e muito importante para todas as economias no planeta. Ela trabalha com a ideia de uma economia mais sustentável, baseada no uso de combustíveis verdes e na diminuição da emissão de gases poluentes e da produção de resíduos”, disse.  

Schmidt lembrou que os conceitos da economia circular podem ajudar a União Europeia a atingir os objetivos propostos pela agenda econômica sustentável do bloco, tais como a redução de emissão de carbono e o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Porém, ponderou o cientista, a resposta sustentável precisa ser global, indicando que países como os EUA e a China ainda não ratificaram acordos sobre o clima.   

Por fim, o presidente do RWI afirmou que a inovação é a parte central do crescimento mundial. “Investir em tecnologia é um recurso que potencializa o crescimento econômico.” No entanto, ressaltou Schmidt, a tecnologia é limitada ao contrário da criatividade humana. “Portanto, trazer a criatividade humana ao mercado de trabalho significa ter inovação de produtos e de processos.” 

A palestra do keynote speaker do DWIH foi realizada no primeiro dia do congresso, 24 de setembro.