Proposta de teste rápido para diagnósticos de doenças vence etapa brasileira de concurso global de ideias

© Felipe Mairowski

Final da etapa brasileira do concurso global Falling Walls Lab foi marcada por premiações a ideias que resolvem problemas na área de saúde.

Georges Khouri, mestrando em biotecnologia na Universidade Estadual de Londrina (UEL), foi eleito o inovador do ano pelo júri do Falling Walls Lab Brazil 2021, evento promovido pelo Centro Alemão de Ciência e Inovação (DWIH) São Paulo desde 2013. O FWL Brazil foi realizado, na tarde de ontem (9/9), novamente em formato digital, com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube do DWIH São Paulo. A etapa brasileira elegeu as ideias mais transformadoras dentre 56 propostas inscritas por jovens pesquisadores.

A ideia transformadora do pesquisador foi a criação de um teste rápido para baratear o custo e acelerar o processo de diagnóstico de doenças como Chagas, leishmaniose e malária. Na visão de Khouri, a avaliação única poderá evitar diagnósticos incorretos, bem como a ingestão de medicamentos errados, especialmente, em regiões menos desenvolvidas do planeta, que não dispõem de uma ampla rede de saúde.

“Atualmente, há muita dificuldade em trazer um diagnóstico correto de algumas doenças, principalmente, porque muitas vezes os sintomas são subjetivos, como febre e dores de cabeça, o que leva, por vezes, ao diagnóstico equivocado de muitos pacientes. Vimos isso acontecer recentemente no caso do coronavírus”, destacou Khouri em seu pitch de três minutos para os jurados.

Para o pesquisador, a resposta da ciência para esse problema foi a criação de testes rápidos. No entanto, cada teste é destinado a uma única doença, o que leva o diagnóstico a uma roleta russa de testes, onde a doença pode ser detectada, por sorte, no primeiro teste ou pode ser diagnosticada apenas no último teste. Por isso, Khouri está desenvolvendo o protótipo de um multiteste em um só dispositivo.

Com o primeiro lugar no concurso brasileiro, Khouri representará o Brasil na etapa final em Berlim no dia 7 de novembro. Na capital alemã, o estudante apresentará ao mundo o seu projeto “Breaking the Wall of Misdiagnosis in Neglected Diseases“, sendo um de 100 concorrentes internacionais ao título Breakthrough Winner of the Year na categoria Emerging Talents. Como vencedor do FWL Brazil, os custos da viagem e estadia serão financiados pelo DWIH São Paulo.

Além disso, o pesquisador da UEL receberá da Euraxess Brasil uma ajuda de custo no valor de 500 euros para visitar um instituto de pesquisa na Europa escolhido por ele. A ideia da Euraxess é promover a colaboração e a pluralidade científica entre as nações. “Ninguém faz ciência sozinho(a) na sua cozinha”, afirmou Charlotte Grawitz, representante da Euraxess no Brasil, durante a final do FWL Brazil.

Demais premiações

A segunda colocação do FWL Brazil ficou com Dominique Santos Rubenich, doutoranda pela Universidade Federal de Ciência da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), com a proposta “Breaking the Wall of Cancer Prognosis”. O projeto de Rubenich tem como objetivo desenvolver um software baseado em aprendizado de máquina para identificar a plasticidade morfológica das células imunes e sua relação com a progressão dos tumores do câncer. A busca por essa nova frente de diagnóstico e prognóstico visa a detecção precoce da doença, bem como a otimização de testes de alta complexidade, diminuindo os custos do processo.

A pesquisadora da UFCSPA também conquistou o Prêmio DAAD de Empreendedorismo, concedido no mesmo evento. Rubenich representará o Brasil na DAAD Innovation Week 2021, um programa sobre inovação e empreendedorismo aplicado por universidades alemãs sob a supervisão do DAAD, que será realizado virtualmente entre 15 e 19 de novembro.

A terceira colocação do FWL Brazil 2021 ficou com o projeto “Breaking the Wall of Respiratory Viral Infections”, Yugo Araujo Martins, doutorando na Universidade de São Paulo (USP). A ideia apresentada por Martins é a formulação nanotecnológica de fármacos no controle de SARS-CoV2 e de outras infecções virais respiratórias. Na apresentação, o doutorando da USP defendeu que o uso de nanomateriais direcionados às partes altamente conservadas do vírus podem promover a desativação viral, melhorando as opções de tratamento existentes atualmente.

A audiência que assistiu ao evento on-line concedeu o Prêmio do Público ao projeto “Breaking the Wall of Single-use Plastic in Packaging”, da Solo Embalagens, liderado por Mateus Viana, graduando da Universidade Federal Fluminense (UFF). A proposta da Solo Embalagens é reduzir o uso de embalagens plásticas descartáveis, substituindo-as por embalagens biodegradáveis feitas com folhas secas de palmeiras.

A banca de jurados multidisciplinar que concedeu os prêmios foi formada por Fabíola Gerbase, Diretora Adjunta do DAAD no Brasil; Carlos Eduardo Pereira, diretor da Empresa Brasileira de Pesquisa Industrial (Embrapii); Francilene Procópio Garcia, secretária da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC); professor Rafael Dias, da Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade de Campinas (Unicamp); Dra. Maria Filomena Rodrigues, pesquisadora do Laboratório de Biotecnologia Industrial do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT); Bruno Zarpelon, diretor do Departamento de Inovação e Tecnologia da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK) e a jornalista científica Ana Paula Artaxo, assessora do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN).

O FWL Brazil 2021 teve a organização do Centro Alemão de Ciência e Inovação (DWIH) São Paulo, em parceria com a instituição alemã Falling Walls Foundation (FWF), o Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD), o Ministério Federal das Relações Externas da Alemanha (AA), a Euraxess Brazil e a agência Inova Unicamp.