Ideias que transformam o mundo: como apresentá-las?

© DWIH São Paulo

Info-evento sobre o Falling Walls Lab (FWL) ofereceu uma visão geral da competição, benefícios e dicas de como vencê-la. Inscrições para o concurso foram prorrogadas até o dia 8º de agosto. 

Três minutos que podem fazer a diferença. Esse é o tempo que os participantes da competição global Falling Walls Lab (FWL), promovido pela Falling Walls Foundation, têm para apresentar suas ideias transformadoras aos jurados da competição. Para dar dicas, falar da emoção da competição e descrever as regras do FWL, o DWIH São Paulo, organizador da etapa brasileira, realizou no dia 16 de junho um info-evento reunindo organizadores, vencedores da etapa brasileira e júri de edições passadas.

“A Falling Walls Foundation é uma organização sem fins lucrativos, com sede em Berlim, dedicada a dar suporte para a ciência. Somos uma plataforma internacional e única para líderes da ciência, negócios, políticas e arte no mundo”, destacou Corinna Luther, líder de projetos da Falling Walls Foundation no início do evento.

A executiva explicou ao público brasileiro que os vencedores das etapas regionais, organizadas por uma instituição parceira da fundação, como é o caso do DWIH São Paulo no Brasil, se classificam automaticamente para a final global, que será disputada no dia 07 de novembro, em Berlim, na Alemanha. Nesta data, um júri internacional selecionará os dez melhores pitches, chamados de “winners of the year” e o grande vencedor da disputa que receberá o título de “Breakthrough Winner of the Year in the Emerging Talents”.

Além de ganhar um prêmio em dinheiro, o vencedor da etapa global terá a oportunidade de apresentar sua ideia transformadora no Falling Walls Conference, um evento que reúne líderes globais, no dia 09 de novembro. “Esta é uma ótima oportunidade de apresentar a sua ideia em uma plataforma global”, frisou Luther.

 

Como chegar lá?

Antes de sonhar com a apresentação global, estudantes, pesquisadores e inovadores no Brasil terão de se inscrever para a etapa brasileira. Marcio Weichert, coordenador do DWIH São Paulo, detalhou o cronograma para a escolha da ideia mais transformadora no Brasil.

O primeiro passo é cadastrar o estudo até o dia 8º de agosto no link https://falling-walls.com/lab/apply/brazil/. As melhores ideias, receberão convite para participar da final da etapa brasileira, no dia 09 de setembro, e de um treinamento de pitch. Todo esse processo será virtual dado o contexto da pandemia no país.

Cronograma 2021


O coordenador do DWIH São Paulo também mencionou as principais regras de participação na etapa brasileira, detalhado no slide abaixo.

Principais regras


E os prêmios ao vencedor da etapa brasileira do FWL, com destaque para a viagem e hospedagem pagas para a Alemanha para apresentar a ideia em Berlim, no dia 07 de novembro, como observado na seguinte imagem:

Prêmios FWL Brazil 2021


*Caso a final seja presencial.

Além dos prêmios de primeira, segunda e terceira colocação do FWL Brazil, no dia 09 de setembro, o público que acompanhará virtualmente o evento decidirá quem recebe o Prêmio do Público e o júri selecionará um candidato para ganhar o Prêmio DAAD de Empreendedorismo 2021, que participará automaticamente da DAAD Innovation Week.

 

Dicas para vencer a competição

A professora Helena Nader, que participou como jurada da etapa global da FWL em 2020 e 2021, afirmou que a principal preocupação dos candidatos deve ser a apresentação do pitch. “A mensagem, nesses três minutos, deve ser muito clara sobre qual é a barreira que você está rompendo e o que você quer atingir”, ressaltou.

Na visão de Nader, o candidato não deve apresentar sua ideia de forma genérica, ele precisa ser o mais objetivo possível no pitch. A professora destacou que o júri não tem acesso à pesquisa enviada pelo participante, logo as notas são exclusivamente atribuídas à apresentação.  

Quem já esteve lá sabe a relevância desses três minutos. O professor Victor Freitas, vencedor FWL Brazil 2019, relembrou que na época foi difícil condensar a sua ideia – que foi sobre o aproveitamento da estrutura molecular da lignina, um composto existente nos caules e rizomas de plantas- nesse curto espaço de tempo. No entanto, relata que, hoje, fica entediado com uma palestra pouco objetivas que excedem mais de dez minutos. “Essa objetividade e clareza da construção de pitches me ajudou muito na formulação das minhas aulas”, frisou.

Caroline Weber, terceira colocada no Falling Walls Lab Brazil 2020 e vencedora do DAAD Innovation Week 2020, já tinha feito pitches antes do FWL Brazil, no entanto, foi sua primeira apresentação em inglês. Apesar do frio na barriga, a pesquisadora conseguiu mostrar a disrupção em seu projeto: a criação de pequenas unidades de biorrefinarias automatizadas e monitoradas remotamente. A ideia é que resíduos não utilizados pela agricultura sejam transformados em produtos como etanol e desinfetante.

A pesquisadora conquistou a audiência, venceu o Prêmio do Público, e os jurados a premiaram com Prêmio DAAD de Inovação, além da terceira colocação. Como vencedora do Prêmio DAAD de Inovação, Weber participou de uma semana de imersão no ecossistema da inovação, a Innovation Week. Com competidores de diversos outros países, novamente, a estudante se sagrou campeã da competição.

 

Fortalecimento de networking

Os participantes das etapas brasileiras do Falling Walls Lab também relataram como a competição os ajudou a fortalecer a rede de contatos deles.

“Com toda essa visibilidade das competições [FWL Brazil e Innovation Week], tive alguns bons contatos para levar a ideia adiante. Inclusive, um participante do México, que conheci na Innovation Week, está tentando implementar simultaneamente a nossa solução em seu país com a biomassa do milho”, relatou Weber. 

Assista o info-evento completo no Youtube do DWIH São Paulo: https://youtu.be/1J83_dlofXs