Engels, diretor-fundador do Brasilien-Zentrum, morre aos 86 anos

© Divulgação

A morte do fundador do Brasilien-Zentrum de Baden-Württemberg na Universidade de Tübingen entristece comunidade acadêmica do Brasil e da Alemanha.

Com grande pesar, o DWIH São Paulo informa que o Professor Wolf Engels, diretor-fundador do Brasilien-Zentrum de Baden-Württemberg na Universidade de Tübingen, morreu em 18 de dezembro de 2021, aos 86 anos. A notícia trouxe tristeza à comunidade acadêmica brasileira e alemã. Engels foi um importante pesquisador na área de apicultura e grande parceiro de estudos teuto-brasileiros sobre o tema.

O cientista nasceu em Halle (Saale), na Alemanha, em 1935. Engels aprendeu as primeiras palavras em português ainda criança com sua mãe, que nasceu em Rio Pardinho (RS), uma pequena vila no sul do Brasil fundada por imigrantes alemães. Isso fomentou seu amor pelo Brasil.

Depois de estudar biologia em Göttingen, Tübingen e Münster (1955-1962), recebeu seu doutorado em 1963 sob orientação do importante biólogo evolucionista Bernhard Rensch em Münster. Em 1971, completou sua habilitação (uma espécie de pós-doutorado) em biologia reprodutiva da abelha-europeia “Apis mellifera”. 

De 1972 a 1974, Engels aceitou a cátedra de professor visitante na Universidade de São Paulo (USP), Brasil. Sua família o acompanhou, e o mais novo dos quatro filhos nasceu aqui no Brasil. Engels escreveu diversos artigos sobre a biologia reprodutiva das abelhas sem ferrão no campus da USP de Ribeirão Preto. O trabalho de Engels vive em muitas publicações teuto-brasileiras, colaborações e na colméia experimental “floresta” que ainda existe lá até hoje.

Em 1975, Engels aceitou a cadeira de fisiologia do desenvolvimento da Universidade Eberhard Karls em Tübingen, que ocupou até sua aposentadoria em 2003. O passaporte brasileiro que possuía, por causa de sua ascendência materna, significou muito para ele. Incentivou repetidamente projetos de pesquisa teuto-brasileiros, apoiou o intercâmbio de estudantes e doutorandos e, claro, viajou ele próprio diversas vezes ao Brasil. Mais recentemente, em 2017, participou do 8º Simpósio Alemão-Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável na universidade parceira de Tübingen, a PUCRS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul) em Porto Alegre. 

Desde a década de 1980, o interesse científico de Engels tinha sido o ameaçado ecossistema florestal de araucárias, parte dos 4.000 km de extensão de floresta tropical na costa brasileira. No sul do Brasil, onde seu avô trabalhou como pastor por dez anos, foi criado por sua iniciativa o santuário de araucárias “Pró-Mata”. Na estação de pesquisa, inaugurada em 1996, foram criados mais de 100 projetos interdisciplinares teuto-brasileiros. A estação ainda é usada até hoje para intercâmbio acadêmico de alunos da Universidade de Tübingen.

Em 1997, Engels foi nomeado professor honorário pela PUCRS. Em 1987, foi um dos primeiros cientistas alemães a ser aceito na Academia Brasileira de Ciências. Por ocasião de seu 80º aniversário, Engels também recebeu a Medalha de Honra da Universidade de Tübingen.

Com a participação de Engels, foi assinado em 2000 o acordo estadual entre Baden-Württemberg e Rio Grande do Sul sobre “Cooperação no campo da ciência e tecnologia”. Com base no acordo estadual, o Brasilien-Zentrum de Baden-Württemberg na Universidade de Tübingen foi fundado no mesmo ano, e Engels foi o diretor fundador. Sob sua liderança, tornou-se o foco da cooperação científica entre Baden-Württemberg e universidades brasileiras. As tarefas do centro incluem aconselhar e iniciar projetos de pesquisa, bem como promover e supervisionar intercâmbios acadêmicos e estudantis entre os dois países.

 

Fonte: Brasilien-Zentrum de Baden-Württemberg na Universidade de Tübingen